Nem só de first-round viverá uma franquia!

O draft é um dos momentos mais intensos e imprevisíveis do Futebol americano. Por vários meses jornalistas, scouts e técnicos fazem analises minuciosas dos prospectos que irão entrar na liga.

Como o título diz, nem sempre escolhas de primeira rodada são garantias de sucesso, existe um numero grande de jogadores que foram escolhidos na primeira rodada do draft e fracassaram.

Os dois lados da moeda:

Existem diversos exemplos de franquias que tem baixo aproveitamento no draft. Talvez o maior exemplo seja o Cleveland Browns, franquia que quase todos os anos escolhe no top-10 do draft, devido a seu baixo rendimento na temporada regular, e parece sempre fazer as escolhas erradas.

browns.jpg

Essa é a lista de escolhas de primeira rodada do Browns desde 2000. Foram 20 escolhas e destas 20 apenas 3 ou 4 jogadores foram realmente relevantes. Joe Thomas e Alex Mack talvez seja os nomes da maior destaque, sendo que o último já não se encontra mais com a franquia.

De quem é a culpa?

É difícil apontar um culpado, franquia, GM, scouts, planejamento, enfim, todo um conjunto de fatores corroboram para uma falha catastrófica na hora de escolher um prospecto, mas particularmente, acredito que o grande “culpado” seja a volatilidade dos jovens prospectos. O percentual de jogadores escolhidos no first-round é incerto, mas analise o draft do ano passado. Do top-10 quantos se destacaram? Goff teve um inicio terrível, Wentz empolgou no início, mas acabou a temporada com péssimos números (mas mostrou qualidade para evoluir), Joey Bosa e Ezekiel Elliot talvez tenham sido os maiores destaques deste top-10, com menção mais que honrosa para Jack Conklin, OT , dos Titans.

Do outro lado da moeda, encontramos franquias que conseguem ser muito firmes em suas escolhas de primeira rodada, vide Cowboys, com uma linha ofensiva formada de 3 jogadores first-rounders e La’el Collins, que ficou de fora do draft até que seu problema com a policia fosse resolvido, acabou sendo UDFA.

Cowboys.jpg

Com 15 escolhas de primeira rodada, Dallas mostra como uma franquia pode ser eficiente. Nos últimos 17 anos, os Cowboys escolheram jogadores fantásticos como Newman e DeMarcus Ware. Desde 2010, podemos dizer que o Cowboys teve um aproveitamento de 90% de eficiência em suas escolhas. Bryant, Tyron Smith, Frederick, Martin, Elliot são nomes dados como escolhas “Grade A”, mas quando olhamos para a temporada passada, percebemos que Claiborne e Byron Jones tiveram uma temporada fantástica, o que ajudou Dallas a chegar nos playoffs.

Dois exemplos opostos de como boas escolhas podem definir pelo que uma franquia brigará por vários anos. Enquanto o Browns vive escolhendo no top-10, e já são 4 temporadas escolhendo 2x na primeira rodada, Dallas variavelmente está nos playoffs ou com records significativos.

Mas… Nem só de first-round viverá uma franquia.

Talvez os dois maiores exemplos dessa afirmativa sejam Patriots e Seahawks. Enquanto o Patriots vive do dominante esquema de Bill Belichick, com escolhas “certeiras” de encaixe perfeito, o Seahawks de Pete Carroll e John Schneider é a franquia com maior número de “estrelas na NFL”, mesmo que apenas 1 deles tenha sido escolhido na primeira rodada.

O sucesso da já dinastia do Patriots é a analise e encaixe dos atletas no esquema de seu coach. Assistir a um jogo do Patriots é ver uma aula de posicionamento e esquema tático. Citar estrelas nessa franquia é falar de Tom Brady e Gronkowski, todo o resto da franquia é composta de excelentes jogadores que quase não cometem erros, mas que não tem o mesmo hype de “estrela”, talvez exceto por Eldeman e Butler. Como tenho pouca propriedade para falar sobre, prefiro me limitar a tais afirmações.

Já os Seahawks, mesmo não mantendo o mesmo nível de escolhas de temporadas passadas, é uma franquia com grande aproveitamento em suas escolhas de draft, principalmente fora da primeira rodada. A famosa Legion of Boom é formada por apenas 1 jogador que foi escolhido na primeira rodada, Earl Thomas III. Chancellor e Sherman foram escolhidos na quinta rodada do draft, em 2010 e 2011 respectivamente. Byron Maxwell que saiu a 2 temporadas e também fazia parte da famosa secundária, foi escolha de 6ª rodada. Na linha defensiva, nenhum jogador foi escolhido na primeira rodada do draft. Bennett foi UDFA em 2009, Frank Clark foi escolha de segunda rodada bem como Jarran Reed, Cliff Avrill foi uma escolha de terceira rodada do Detroit Lions e veio via Free agency, como Michael Bennett. Bobby Wagner foi escolha de segunda rodada e KJ Wright foi escolha de 4ª rodada. Bruce Irvin que saiu na free agency passada, foi escolha de primeira rodada e é outro que é um bom jogador.

O ataque de Seattle conta com apenas uma escolha de primeira rodada, Germain Ifedi, que mostrou que pode ser um grande bust. Wilson foi escolha de 3ª rodada, Baldwin é UDFA assim como Kearse, Graham foi escolhido na 3ª rodada pelos Saints, Lockett foi escolha de 3ª rodada, Paul Richardson foi escolha de 2ª rodada.

Seattle consegue fazer boas escolhas fora da primeira rodada e montar uma equipe muito competitiva ano após ano. Junto com o Patriots, Seattle mostra que nem sempre escolhas altas são sinal de sucesso e que montar uma franquia que dispute títulos vai muito além da primeira rodada, é saber garimpar os melhores valores em rodadas maiores, e isso define uma franquia vencedora.

 

 

Deixe uma resposta