Uma derrota que diz muito sobre a temporada de 2017

É difícil apontar os culpados ou mesmo apontar os erros, são tantos pequenos fatores que contribuem para uma temporada estressante que pouco pode-se dizer sobre como arrumar a bagunça.

“Caos” é a palavra para a temporada 2017, e o jogo de ontem diz muito sobre isso. Seattle vinha de uma grande vitória diante do Eagles em casa (que por sinal fez um jogo excelente contra o Rams, salvando nossa pele) e acaba sendo derrotado pelo Jaguars. Fora do roteiro? Nem tanto, eu diria. É difícil perder para um time que tem Bortles como quarterback, mas a defesa do Jaguars é tudo o que a defesa dos Seahawks já foi um dia.

Essa era a nossa temporada, era o ano do Super Bowl, ano em que tínhamos um time extremamente forte, um front-seven de respeito, uma secundária temida, mas tudo isso começou a desandar já na pré-temporada. Com as lesões de Avrill e Fant, Seattle precisou se movimentar, gastar picks do draft, comprometer o cap e continuar rumo ao sonho do SB e isso era muito possível. Mas tem anos em que o inexplicável acontece, que tudo desaba e é remar contra a maré, se iludir, tentando chegar ao alvo.

Sheldon Richardson foi contratado para suprir a ausência de Cliff Avrill, mas parece não surtir o mesmo efeito. Seattle continuava remando rumo ao SB. Pouco tempo depois, vimos que não fluiria. A lesão do contestado Fant fez com que o jovem Odhiambo fosse LT e não funcionou. Wilson era amassado todo jogo, e Schneider viu que poderia perder seu franchise QB. Fomos ao mercado, buscamos um LT de elite… Wilson candidato à MVP e… Sherman e Chancellor sofrem lesões que os tiram da temporada. A grata surpresa que era até então o desafogo do jogo terrestre, Cris Carson, sofre uma lesão e também demandaria muitas semanas de recuperação, talvez uma season ending injury. Era fácil de enxergar que Seattle estava lutando contra algo que não poderia vencer. Vez ou outra uma franquia da NFL é carregada pelo tsunami de lesões que acabam comprometendo sua temporada.

Seattle ainda tentou respirar em meio à devastação que o atingia, a defesa apareceu com jogadores improváveis. Rostos conhecidos retornaram para ajudar uma defesa toda destruída por lesões, mas quando não eram as lesões eram os erros que comprometiam os jogos. Titans, Redskins, Falcons e Jaguars, 4 vitórias marcadas por erros que custaram a vitória. Pode-se dizer que normalmente acontecem erros todos os anos que custam 1 ou 2 jogos no máximo, mas 4? É demais.

Contra o Titans a defesa displicente e o ataque ineficiente no primeiro quarto jogaram a possibilidade de vitória no lixo. Um touchdown corrido de 75 jardas era algo quase inédito na era Pete Carroll em Seattle.
E por que não falar do HC de Seattle? Este tem errado bastante com time outs e com a incapacidade de enxergar que Blair Walsh é uma desgraça, que por sinal nos custou a vitória sobre o Redskins, combinado com outros fatores, mas o principal, foram seus 3 FGs errados. Contra o Falcons uma tentativa insana de fake com 7 seg no relógio custou o empate que levaria para a prorrogação, isso aliado a um time que tinha 0 pass-rush durante quase todo o jogo e foi aparecer no momento final, mas faltou perna, a perna de Blair Walsh…

Ontem contra o Jaguars não foi diferente. Muito se diz sobre o Seahawks ser ajudado pela arbitragem, e tapa-se os olhos para enxergar que a NFL está refém de incompetentes que apitam jogos profissionais. Walsh errou o FG que poderia ter levado Seattle para o intervalo em um empate de 3 a 3, placar baixo, mas duas grandes defesas em campo. Wilson com passes displicentes gera 3 INT, jogando na vala suas chances de ser MVP. Era uma grande defesa do outro lado. Jogo equilibrado até que… 2017 ataca novamente. Bob Wagner sente a coxa e sai do jogo, uma chamada depois, touchdown do Jaguars, atacando a lacuna deixada pelo melhor MLB da NFL. Seattle vai atrás, busca o empate em 10 a 10, jogo parecia estar nas mãos dos ataques, mas … KJ Wright no chão. KJ teve uma concussão e é retirado da partida, Mike Davis com boas corridas, também sai do jogo sentindo e ficamos entregues nas mãos da defesa e de um QB com ampla capacidade de mudar o rumo de jogos. Mas… Todos os 3 drives na sequência da saída de Bob Wagner se transformam em pontos para o Jaguars, éramos meros telespectadores de um ataque que é carregado nos ombros do rookie Fournett. Com um retorno gigantesco o Jarguars que já tinha 17 a 10, fica a 1 jarda do touchdown, nada parecia funcionar, e Fournett aumenta a vantagem do time da casa. Seattle recebe a bola e… Wilson interceptado. Naquele momento era difícil ver o cara que carregava o time durante toda a temporada. Estava sendo completamente ofuscado pela grande defesa adversária.

Seattle assistiu os passes curtos e as corridas do RB adversário, mas eles saíram apenas com um FG. Era um alivio, 2 posses de bola com 15 min ainda a serem jogados, tempo de sobra para virar ou empatar e é aí que a mágica de Wilson começa a aparecer. Com um passe 61 jardas para Paul Richardson, touchdown. O placar agora era 27 a 17, 7 min a serem jogados, mas a defesa do Seahawks era mera espectadora. Byron Maxwell era completamente engolido por um QB sem qualquer chance de ser titular na NFL, e só o é, por falta de coisa melhor em sua equipe. O Jaguars sai com o mínimo, 3 pontos. Drive seguinte, Wilson faz novamente e parecia que estávamos no jogo, touchdown de Tyler Lockett, mas uma big play, 58 jardas, Seattle estava vivo!!

Drive do Jaguars, 3min e 20 seg no relógio, Seattle consegue a bola após forçar um 3&Out e aí, amigos, 2017 ataca novamente. Wilson tenta conectar com Graham e… drop. Wilson conecta Doug Baldwin que irresponsavelmente não luta por 2 jardas para o first-down, prefere sair de campo, reflexo do que foi essa temporada, displicência. Jogada seguinte o que vemos em todos os jogos essa temporada, linha ofensiva é destruída, Ifedi comete falta de ilegal formation e ainda cede um sack no Russell Wilson. Era uma 4&9. Wilson tenta encontrar Paul Richardson, e as zebras ignoram completamente um pass interference claro da defesa do Jaguars, era o fim do drive, era a chance do Jaguars levarem. A defesa ainda tinha chance de dar mais 1 chance para seu ataque ganhar o jogo, conseguem transformar uma 3&6 em uma 3&11 após falta do LT adversário, mas… o reflexo do que foi essa linha defensiva durante quase toda a temporada se externa, a ausência de Bob Wagner é sentida, o Jaguars chama uma corrida, e Leonard Fournett consegue correr 12 jardas. Inacreditável, frustrante e por que não humilhante?

Depois disso foi só confusão. Ao invés de aceitar a derrota, Seattle, nas pessoas de Michael Bennett e Sheldon Richardson, prefere confusão e briga ao invés de perder com a cabeça erguida, para um time que tem um QB ruim, mas uma defesa excepcional. A briga no fim do jogo, a ejeção de Richardson e Jefferson devem render suspensão, principalmente o último que tentou subir na arquibancada (depois de quase ser alvejado por uma garrafa de cerveja, que fique bem claro, e há relatos de uma banana…). Bennett apesar de não receber ejeção, deve ser pego pela NFL e suspenso por 1 jogo, talvez.

Caso se confirmem as suspenções e Bob Wagner e KJ não voltem, será improvável, para não dizer coisa pior, ganhar do Rams. Teremos que contar com o brilhantismo de Russell Wilson, que terá que deixar de lado os seus erros do último jogo e fazer um jogo impecável para garantir a liderança da divisão e quem sabe até mesmo a vaga nos playoffs.
É jogo de vida ou morte domingo; É a última chance de Seattle na temporada. E depois disso? É se planejar para que em 2018 os erros não sejam repetidos.

Deixe uma resposta