O que realmente está acontecendo

De imediato, quero deixar algo claro: não gosto de fazer este tipo de coisa.

Se você me conhece, provavelmente já sabe disso. Naturalmente não sou uma pessoa de muita conversa. Uma das razões pelas quais eu sempre me doei tanto em campo é porque quero que minhas ações possam falar por mim.

Mas eu não posso fazer isso agora – e estou em uma situação em que sinto que realmente preciso dizer alguma coisa. Não apenas em meu nome, mas também por outros jogadores da liga que estão atualmente na mesma posição que eu ou que estarão no futuro.

Muita gente fala sobre quão curta é a carreira na NFL. Eles estão certos. Com o passar dos anos, vi muitos jogadores talentosos indo e vindo. O que você descobre rapidamente é que, para sobreviver, o futebol exige tudo de você – não apenas fisicamente e mentalmente, mas emocionalmente também.

E meu sentimento é, se você conseguir sobreviver – e especialmente se você prosperar – nesta liga, então isso é algo que deve ser reconhecido. É algo que deve ser respeitado.

Se você arrisca seu corpo para entregar todo esse valor a uma organização, você merece algum tipo de garantia de que a organização cuidará de você caso se machuque. É simples assim. Isso não é novo e isso não é complicado. É a razão pela qual eu estou aguentando – eu quero ser capaz de dar tudo de mim, em cada jogada, sem qualquer dúvida em minha mente.

E é por isso que peço aos Seahawks que façam uma das duas coisas:

Me ofereça uma extensão.

Ou troque-me por uma equipe que queira que eu faça parte do futuro deles.

Eu gostaria de estar no training camp agora – e estou falando agora. Estou pronto. Eu tenho me preparado durante toda a offseason e training camp da NFL.

Tudo que eu quero é estar lá jogando. Em vez disso, estou aqui trabalhando … e esperando.

Mas enquanto eu tenho sua atenção, eu tenho algumas outras coisas que gostaria de dizer.

Thomas Lakes/The Players’ Tribune

Eu sou o mesmo jogador de quando entrei na liga? Não.

Estou muito melhor.

Parte disso vem do trabalho que eu coloquei, mas também vem das coisas que aprendi ao longo do caminho.

Minha primeira conferência de imprensa como um Seahawk definitivamente conta como uma experiência de aprendizado. Eu era um dos jogadores mais jovens do draft, com apenas 20 anos, e estava empolgado por estar na NFL. Mas eu ainda não entendia completamente que ser um profissional era um negócio diferente. Então, um dia depois de eu ter sido convocado, eu apareci na coletiva de imprensa com uma regata e um short…… parecendo que eu estava indo para um treino. Foi ruim. Eu sabia que tinha errado assim que vi Russell Okung usando um terno completo. Os treinadores, cara – eles tinham que me dar um equipamento de equipe para colocar, só assim eu parecia apresentável. E lição aprendida. Isso mudou como eu lidei com as conferências de imprensa desde então.

Meu tempo em Seattle foi preenchido com muitos momentos de crescimento como esse, pequenas lições que acabaram por me fazer o jogador que eu sou hoje. Nas últimas oito temporadas, fui escolhido como All-Pro cinco vezes e fiz todos os Pro Bowl desde 2011, menos uma temporada quando me machuquei. Eu estava lá quando Marshawn causou um terremoto contra os Saints. Eu estava lá quando chocamos o mundo contra os Broncos no Super Bowl. E eu estive lá, nestes últimos anos, como esta franquia passou de feliz em vencer para uma equipe que era uma das favoritas todo os anos.

Eu fiz parte de tudo isso e estou muito orgulhoso disso. E isso é uma das coisas que tem sido muito frustrante – essa ideia de que eu estou fazendo o que estou fazendo porque eu não quero mais jogar por Seattle. Isso não é verdade, cara. Eu amo Seattle. Mas eu esperava não ter que dizer isso. Eu esperava que a maneira que eu joguei para este time nos últimos oito anos diria tudo o que você precisa saber.

Eu amo Seattle.

Com isso dito … Eu também aprendi porque eu preciso cuidar desse lado comercial das coisas.

“Na NFL, não importa o que você tenha feito ou realizado,

as equipes estão constantemente lembrando

que você não importa”.

 

Ainda me lembro quando Lofa Tatupu era o coração da nossa defesa. Lofa era um dos caras que mais se dedicavam [trabalhava mais forte] que já vi. Foi ótimo de se aprender com ele como um jovem jogador. Ele fez todas as chamadas e sempre se preparava para fazer grandes jogadas. Ele era apenas bom em seu trabalho.

E o que ele conseguiu por tudo isso? Depois de sua sexta temporada com a equipe, eles pediram a ele que fizesse um corte de salário. Quando ele disse que não, ele foi liberado.

Isso meio que me abalou – mas também foi uma boa lição de como, a qualquer momento, uma equipe pode se recusar a honrar seu contrato e se livrar de você. Portanto, não importa o quanto você goste de uma equipe ou se preocupe com o jogo, você tem que cuidar de si mesmo quando se trata do fim das coisas.

Basta olhar o que aconteceu na última temporada.

Nós jogamos um jogo de quinta-feira contra os Cardinals em novembro. Esses jogos são sempre difíceis em termos de lesões por causa do pouco tempo de recuperação … mas cara, ainda assim. Não havia uma pessoa no estádio que tivesse adivinhado que esse jogo seria a última vez que Richard e Kam jogariam pelos Seahawks.

Nunca esquecerei estar na linha lateral quando o Sherm caiu. Ele estava em uma Cover 2 em uma rota dig rotineira. É algo que eu assisti ele fazer um milhão de vezes, cobertura realmente básica. Mas nessa jogada em particular, por qualquer motivo, seu Aquiles rompeu.

Mais tarde, Kam saiu do campo e disse que tinha um sentimento engraçado no pescoço. Apenas um sentimento engraçado – e, cara, Kam é um guerreiro. Um guerreiro. Nós passamos por muito juntos. Então, claro, eu pensei que ele estaria bem. Mas depois do jogo, é uma loucura … ele descobriu que a lesão era uma ameaça à carreira. Algumas semanas atrás, ele anunciou sua aposentadoria.

Bem desse jeito.

O último contrato que assinei com Seattle, eu fiz isso com a Legião de Boom em mente. Acho que nossa unidade será lembrada como uma das maiores da história. E eu queria que o time fosse capaz de nos manter juntos. Mas um por um, praticamente todos esses caras saíram – e na maior parte do tempo, não em ótimos termos.

Claro, todos nós sabemos o que estamos arriscando toda vez que entramos em campo. Mas aquele jogo de quinta à noite realmente fixou em minha mente a verdade – que é que toda a sua vida pode mudar em um jogo. E quando isso acontece, não importa o que você tenha feito no passado … você ainda pode ser cortado sem nem mesmo uma negociação. Foi o que aconteceu com o Sherm. Um dos maiores de todos os tempos. E eu sei que isso poderia acontecer comigo também.

Tom Hauck/AP Photo

 

Nas últimas semanas, eu tive um monte de caras me procurando para oferecer seu apoio, e apenas falar sobre suas experiências de estar na minha situação. Um deles era Eric Weddle. Ele foi dominante pelos Chargers por nove temporadas – e então tudo mudou. Quando ele pediu à equipe para fazer um compromisso, eles o trataram como se estivesse sendo egoísta. Tudo o que ele queria era a oportunidade de terminar sua carreira onde ele começou. Depois de uma década de entrega, ele só queria um pouco de segurança. Como isso é egoísmo?

Eu não sei, cara. Eu simplesmente não sei.

Eu sou muito grato aos jogadores e fãs que ofereceram seu apoio – porque sem isso, esse processo deixa você se sentindo sozinho. Honestamente, acho que uma das razões pelas quais os times tratam os jogadores é porque eles podem se safar. Eles são bons em colocar a culpa no jogador que está fazendo “hold out”, fazendo todo o processo se tornar muito público e muito negativo em relação à sua reputação. É como – eu não tenho como saber o que eles podem estar dizendo à imprensa ou aos meus colegas sobre mim. E para alguém como eu, que normalmente não fala … isso faz com que você se sinta meio desamparado.

 

Honestamente, acho que uma das razões

pelas quais os times tratam os jogadores assim

é porque eles podem sair por cima.”

Mas estou firme nisso – porque preciso. Eu sou firme quando se trata de conseguir o que eu mereço. Eu tenho sido um dos melhores jogadores defensivos nesta liga por quase uma década, e os números mostram que esse time joga muito melhor comigo do que sem mim. Além disso, ainda tenho alguns ótimos anos de futebol no meu tanque. Eu não estou nem perto de desacelerar. Ainda estou trabalhando para melhorar.

Então, se tudo isso pode acontecer comigo, cara … uau. Então eu sei que isso pode acontecer com qualquer um.

Como um novato, especialmente nesse Seahawks, você é facilitado por essa cultura de irmandade. Você desenvolve esse amor e respeito pelos caras com quem joga, e os fãs pelos quais você joga. Isso faz você querer dar tudo para a equipe. E isso é um sentimento especial. Mas o que você não percebe é que, depois de ter dado tudo – depois de obter todas as cicatrizes de batalha que vêm com sucesso – sua equipe não o valoriza da mesma forma. Não há obrigados nesta liga.

Há apenas despedidas.

No final, é como eu disse: se os Seahawks não pretendem me ter por perto a longo prazo, então eu entendo. E se eles querem começar de novo e reconstruir, então isso é direito deles – é parte do negócio. Não é o que eu quero … mas eu entendo. Tudo o que eu peço, porém, é que, se for esse o caso, e eles não me querem mais – apenas por favor me negocie a uma organização que o faça.

Por favor, troque-me com uma equipe que me quer, para que eu possa dar tudo de mim para o resto da minha carreira.

Os jogadores que tomaram o tempo para me conhecer, eles conhecem a pessoa que eu sou. Eles sabem que eu não sou egoísta. Eles sabem que eu não nasci com dinheiro. Eles sabem que sou apenas um trabalhador, com um grande coração, que deu tudo o que tem nos últimos oito anos para a cidade de Seattle e para o futebol.

Mas eles também sabem que ainda não terminei, nem de longe. E ainda tenho muito a dar. Eu ainda tenho tackles para fazer, eu ainda tenho jogos para ganhar, e – se Deus quiser – eu ainda tenho troféus para ganhar.

Então, obrigado por me ouvir, e vamos ver o que acontece a partir daqui.

Eu vou estar com vocês nesta temporada, de um lado do campo ou do outro.

 

Earl Thomas III

 

Texto original: The Players Tribune

Texto traduzido e adaptado por: Rodolpho Gonçalves

  • Os “[]” são acréscimos de tradução

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: