De uma temporada de desastres para uma temporada de solidez

Não caro 12th, esse texto não será dedicado a todos os setores, mas um em especial que quase todos se surpreenderam com o nível de jogabilidade após tantas baixas. A defesa.

Há algumas semanas que discutimos se Pete Carroll deve ou não deixar o cargo de Head Coach de Seattle e os pontos para tal eram sua incapacidade de administrar o roster após tanta confusão nos bastidores. Inerente a isso, Carroll é um dos melhores técnicos da NFL quando o quesito se trata de defesa. Lapidar jogadores, é uma de suas maiores habilidades e isso é quase um fato científico. A habilidade de Carroll se comprova quando retrocedemos no tempo e olhamos a quantidade de grandes jogadores ele conseguiu em tão pouco tempo e, quase sempre, em escolhas tardias de draft.

As provas estão diante de nossos olhos, Richard Sherman e Kam Chancellor escolhidos na 5ª rodada, KJ Wright escolha de 4ª rodada, Bobby Wagner escolha de 2ª rodada e Earl Thomas, escolha de primeira rodada, mas um dos melhores de todos os tempos na posição. Desculpem-me se me falha a memória e esqueci de algum.
Inúmeros exemplos ao longo desses anos, mostram a capacidade do nosso Head Coach de se reinventar defensivamente e sempre manter um excelente nível técnico defensivamente falando. Mas vamos ao ponto…

Em 2018 Seattle chegou à temporada regular com muitas notícias ruins e muitas baixas. Desde a temporada passada, com a perda de Cliff Avrill, posteriormente a ruptura do tendão de Aquiles por Sherman, víamos um definhamento da defesa de Seattle, que não se limitaram aos problemas de lesão. Após o fim da última temporada, Michael Bennett e Richard Sherman saíram para novas equipes, Kam Chancellor aposentou por conta de uma lesão na coluna, bem como Cliff Avrill. Foram nomes de peso e nomes marcantes, que deixaram uma grande incógnita no ar. Seattle seria capaz de se comportar como uma defesa digna dos titulos que ganhara no passado?

 

Vamos aos fatos. Esqueça o que passou, Seattle vive um novo momento e também deixe de lado a ideia de que Kris Richard era o grande malfeitor no comando da defesa e também que Ken Norton Jr deu novo folego à esta defesa, nada passa pelas mãos dos coordenadores em Seattle, os mandos e desmandos na defesa, são e devem sempre ser postos sobre os ombros de Pete Carroll.

 

Na temporada de 2018, algumas estatísticas chamam a atenção e jogadores nem tão badalados, e por vezes subestimados, tem aparecido e feito um grande papel na defesa da franquia.

 

Vamos fazer uma análise por nomes:

Vou começar por alguém que já citamos anteriormente (em outro post), Jarran Reed.

Com 25 tackles, sendo 20 tackles solo, 4 sacks em 6 jogos, Reed tem sido peça fundamental para este momento particular do Seahawks. Apesar da amostragem nos levar a pensar em Reed como um pass-rusher, muito em conta pelo seu número de sacks, Reed tem se saído muito bem no quesito Run-stop, ficando apenas atrás de Jurrell Casey do Titans. De forma geral, Jarran Reed está colocando seu nome entre os melhores DTs da NFL.

PFF

 

Frank Clark vem sendo a estrela dessa defesa após a lesão de Earl Thomas, que vinha jogando no seu nível Hall da fama. Clark tem uma temporada de 5.5 sack,3 Fumbles forçados, 1 interceptação e foi considerado o NFC Defensive Player of the Week semana passada. Com um grande número de pressões e hits ao QB, Clark é disparado a melhor arma no pass-rush de Seattle até o momento. Os números falam por si só e o jogador vem em uma crescente constante.

NFL.com

Na secundária, Bradley McDougald vem fazendo uma temporada extraordinária, jogando em nível All-Pro e deve no mínimo comparecer ao Pro-Bowl. O Safetie tem um passer rating de 58.7 quando é alvo dos QBs adversários, tendo 2 interceptações, 5 passes desviados, uma “Coverage Grade” de 89.4 (PFF), sendo um dos melhores da NFL, além de ter um papel importantíssimo na defesa do jogo corrido.

O Companheiro de McDougald, Tedric Thompson, teve um espaço amostral bem pequeno, mas vem tendo bom desempenho desde que Earl Thomas se lesionou. Os números positivos e expressivos de Thompson podem ser ilusórios nesse momento, já que Seattle jogou várias vezes em formações com 2 Free Safeties. Mas é indiscutível que ele vem crescendo ao longo da temporada e teremos uma melhor oportunidade para falar sobre ele ao passar das semanas.

Pro Football Focus

Shaquill Griffin é sólido. Dizer que ele é o novo Sherman, neste momento, é delírio. Shaquill vem se firmando em sua segunda temporada, tendo bons números em todas as fases do jogo, sempre muito bem na cobertura, e suas duas interceptações comprovam isso, e tendo sempre papel preponderante em pressionar as rotas dos recebedores.

O oposto de Griffin vem para uma forte temporada de rookie. Deixando de lado o fato de que Tre Flowers era um safetie de origem, ele vem tendo um desempenho fantástico nesse começo de temporada. Com 2 passes desviados, sendo um interceptado por Frank Clark. Tre Flowers, segundo o PFF, foi alvo dos QBs  9 vezes cedendo 4 recepções para 12 jardas. Sendo muito forte no jogo terrestre, o rookie tem uma “grade” de 92.3 no quesito “run-defense”.

Bobby Wagner continua com sua consistência de quem um dia será um Hall of Fame. Wagner vem sendo de longe o melhor MLB da NFL na temporada, com uma grade de 89.1, quase 3 pontos à frente do segundo colocado, e devemos colocar na balança o fato de estar jogando sem sua dupla original, KJ Wright, que está machucado desde o início da temporada. Por outro lado, temos sido surpreendido pelo bom desempenho de Mingo, que neste tempo, tem coberto a vaga de KJ, tanto de WSL quanto de SAM.

PFF

De forma geral a defesa de Seattle tem se comportado demasiadamente bem, dadas as proporções de perdas que houveram no último ano. Branden Jackson, Quintton Jefferson e vários outros jogadores rotacionais, tem tido papel preponderante para manter Seattle na disputa de quem sabe, um Wild Card. Mas com os pés no chão e visando o futuro, diria que 2019 será um ano promissor.

 

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: