Draft 2019, análise das escolhas.

Artigo escrito por Lucas Gonçalves, redator do 12thManBrasil.

 

Passados alguns dias do draft estamos aqui para nossa análise geral sobre as escolhas e sobre um ponto importante que não vi muitas pessoas falando, uma pequena mudança de postura do nosso staff no recrutamento. Bem você deve estar se perguntando, “ mas que mudança de postura é essa?”, Logo mais falarei com mais detalhes mas algumas atitudes do nosso GM Schneider neste draft foi o que a pessoa que vos fala ( e 90% dos Adm’s da página também) sempre pediu, você já imaginou Seattle escolher um jogador na sua posição original? , ou até mesmo realizar um Trade Up ? , Enfim, brincadeiras a parte vamos começar logo com a análise:

1 (#29) – DE L.J. Collier

Com a escolha original #21 e poucas picks restantes, era óbvio para todos que Seattle realizaria trades para descer no board e acumular picks, com isto em mente e após uma série de trocas, ficamos com as escolhas #29 e #30 no primeiro dia de recrutamento, trocamos a #30 com o Giants e finalmente fizemos uma escolha, LJ Collier, DE de TCU. Collier tem 6’2” (1,88m) e 283lbs (128kg), jogando pelos Horned Frogs LJ teve 82 tackles, sendo 20.5 para perda de jardas, 14.5 sacks e 1 interceptação. Foi uma escolha contestada por muitas pessoas, mas sinceramente acho que tem os dois lados da moeda, realmente LJ foi um reach , porém Schneider deixou nas entrelinhas em suas entrevistas pós draft que ele não era sua primeira opção, possivelmente seria Montez Sweat, porém os Redskins foram mais rápidos e subiram no board e o escolheram antes de nós. Voltando a falar sobre LJ muitos analistas disseram que era um prospecto de 3º dia de draft, isto sinceramente acho um exagero, LJ é o estilo de DE que Seattle gosta e Pete chegou a compará-lo a Michael Bennett em sua entrevista, com certeza LJ era uma escolha de começo/meio de 2 dia , mas após a saída de Clark e opções do board se esgotando nosso staff fez esta escolha, e sinceramente não me incomoda tanto quanto outras passadas ( vide Penny ano passado e nem precisa falar do Ifedi né!?).

LJ Collier tem bom uso das mãos, é excelente no jogo terrestre e pode ser um fator no pass-rush de Seattle com o desenvolvimento dado por Pete Carroll. Com as potencialidades existentes ele pode se tornar um novo Michael Bennett em Seattle.

2 (#47) – S Marquise Blair

Marquise tem medidas interessantes para um Safety, 6’2” (1,88m) – 195lbs (88kg), mas mais do que isso tem a mentalidade que Seattle tanto ama e procura em jogadores da posição desde a trágica contusão de Kam Chancellor, Blair é aquele safety que não foge do contato, vai em todos os tackles com uma vontade absurda e realiza literais pauladas como diria nosso querido Paulo Antunes,além disso é bastante versátil, jogando na forte defesa de Utah jogou tanto de FS quanto como SS,  porém sua maior virtude acaba gerando seu maior defeito em minha opinião, muitas vezes Marquise exagera na força ou vai até mesmo com o capacete nos tackles, acarretando muitas faltas, porém com Pete de seu tutor isto pode ser corrigido, está escolha gerou muita polêmica novamente, sendo considerada como Reach por uns ou boa escolha por outros, sinceramente não achei ruim, Seattle precisava de competição na posição, visto que sinceramente só temos McDogauld de Safety.

2 (#64) – WR DK Metcalf

Uma das histórias do recrutamento foi a forma como o Wr de Ole Miss despencou no draft, considerado por muitos como o melhor recebedor da classe ,inicialmente sua queda foi sem explicação, mas posteriormente reports davam conta que além de uma lesão no pescoço os times estavam receosos quanto ao uso de esteróides por parte de DK. O fato é que Seattle fez um trade up para fazer esta escolha, e lembra lá no começo o que eu havia dito de mentalidade? Pois então, DK é um diamante bruto, após seu combine absurdo para um cara do seu tamanho 6’4” (1,93m) e 225lbs (102kg), ( correndo o tiro de 40y em 4.33) foi gerado muito hype em cima do recebedor, porém a árvore de rotas pobres de Ole Miss somado a falta de agilidade de Metcalf para realizar cortes ( combine neste quesito foi pior que Tom Brady por exemplo) não fez que as franquias ficassem com o mesmo hype da mídia/ público sobre ele, porém Metcalf tem uma explosão absurda na linha de scrimmage, fazendo com que ele “queime” os CB’s que tentam marca-lo em press, ou seja, temos um WR gigante, rápido, com um release absurdo aliado com Russell Wilson que é possivelmente o melhor lançador em profundidade da liga , este casamento promete dar frutos!, Mas não vamos ignorar o fato de que DK tem muito a melhorar, principalmente no ponto de percorrer rotas, seu maior defeito. Tá mas e a história da mentalidade?, pois então, DK tem talento e muito potencial, e Seattle vendo isto realizou um trade up, aí que está o ponto, muito é cobrado não só por mim, mas por muitos outros, mais agressividade de Schneider e Pete Carroll no draft. Há alguns recrutamentos atrás Aaron Donald era a princesinha dos olhos de John Schneider, porém o GM ficou receoso de subir no board e o escolher, acabou perdendo-o para o rival rams… Pete disse na coletiva após o 2 dia de recrutamento que não acreditou quando viu DK disponível no final do 2 round, e subiram para pegá-lo, é isto que eu esperava de Seattle , se a escolha vai funcionar ou não, só o futuro vai dizer , mas um pouco mais de agressividade por nossa parte após tantos trade downs no draft para acumular escolhas não faz mal a ninguém né!?

3 (#88) – LB Cody Barton

Mais um trade up! Desta vez bem menor é verdade visto que Seattle subiu apenas 4 escolhas para selecionar Barton, o Linebacker de Utah que mede 6’2” (1,88m) e pesa 230lbs (104kg) foi uma escolha surpreendente em uma posição que eu esperava vir mais abaixo no board. Com K.J repleto de problemas com lesão e Kendricks com problemas na justiça, só restava a Seattle Bobby Wagner, visto que Griffin não consegue jogar de LB na liga. Barton teve na sua carreira universitária 235 tackles, 24.5 deles para perda de jardas, 9 sacks, 1 interceptação e 10 passes desviados. É um tackleador bem firme e tem uma taxa de erros tackles bem pequena, mas poderia tranquilamente ser selecionado bem mais abaixo no board, ou até mesmo na pick original de Seattle neste 3 round, um reach do Seahawks.

4 (#120) – WR Gary Jennings

Mais um WR para o Seahawks! Durante o draft surgiram muitos rumores que Doug Baldwin poderia ser forçado a se aposentar devido a muitas lesões e cirurgias, e com Seahawks tendo mais um WR nas suas escolhas este rumor só aumentou , Jennings tem 6’1” (1,85m) e 214lbs (97kg), o recebedor de West Virginia jogou as duas primeiras temporadas nas laterais e as duas últimas temporadas no Slot, função qual Doug Baldwin é o melhor da liga em minha opinião ( mesmo Humphries tendo sido na última temporada), neste ponto do draft Gary foi uma escolha muito interessante, teve um excelente Senior Bowl e era considerado por muitos prospecto de 2° dia , muito explosivo e com leituras de bloqueio muito boas, podendo ser usado até para screen pass, porem precisa melhorar bastante seu route running assim como Metcalf , mas tem uma boa noção de espaço para conseguir recepções entre os linebackers. Dito tudo isso Jennings foi um steal para o Seahawks nesta altura do Draft.

4 (#124) – G Phil Haynes

Haynes que mede 6’4” (1,93m) e pesa 322lbs (146 kg) jogou por 4 anos na OL de Wake forest e era ranqueado antes do Draft na posição #12 entre os guards, ou seja, é um projeto a ser desenvolvido por Mike Solari, Haynes é muito forte e excelente em Run block, justamente o que Seattle adora, uma curiosidade é que assim como Fant, Phil também foi jogador de basquete, ou seja, apesar do tamanho tem certa agilidade.

4 (#132) – CB/ FS Ugo Amadi

Finalmente um CB! Foi isto que muitos torcedores do Seahawks pensaram após esta escolha no quarto round, mas não é bem assim, Amadi é bem instintivo e tem uma boa explosão, porem se você pensa que Ugo chegou para disputar vaga com Flowers e Griffin está enganado, medindo apenas 5’9” (1,75m) e pesando 201lbs (91kg) não será este o caso, eu esperava que fosse para o lugar de Coleman no nickel , mas Pete afirmou na sua entrevista que Ugo virá para disputar lugar no corpo de Safety da equipe, uma surpresa para mim, mas em geral foi uma boa escolha neste valor, considerando sua versatilidade e impacto imediato no special teams, local onde o Seahawks focou neste draft segundo nosso staff.  

5 (#142) – LB Ben Burr-Kirven

O Maior Steal de Seattle! Ben era sem dúvidas em espetáculo de se assistir nos Huskies, veloz, com excelente leitura era uma máquina de tackles, de todos o s LB da classe BBK foi o defensor que mais vezes deu tackle primeiro no adversário, e foi o jogadro defensivo do ano da Pac-12 em 2018, ou seja, temos um novo Wagner? Não é para tamanha empolgação, Ben tem em seu maior problema algo difícil de corrigir, seu tamanho, medindo 6-0 (1,82m) e pesando 230 lbs (104kg) não tem porte para um linebacker de NFL, mas pode ser usado em algumas ocasiões especificas, mas uma coisa é certeza, BBK será um verdadeiro monstrinho no special teams.

6 (#204) – RB Travis Homer

Mais um Running Back? Mas porquê? Seattle escolheu o prospecto de Miami com o intuito de achar um substituto para Mike Davis,  que ao final da temporada rumou ao Chicago Bears, um ponto interessante a se destacar é que no roster atualizado J.D McKissic está listado como retornador e não como RB/WR, voltando a escolha, Homer é um valor interessante neste ponto, medindo 5’10” (1,78m) e pesando 201lbs (91kg), teve boas temporadas em Miami e é um recebedor de passes melhor que Mike Davis.

6 (#209) – DT Demarcus Christmas

Demarcus mede 6’3” (1,93m) e pesa 294lbs (133kg), NT era uma posição que esperava alguma escolha neste draft, pois Seattle só tem Poona Ford basicamente, seu ponto forte é o combate ao jogo corrido, na sua carreira em FSU Christmas teve 106 tackles, sendo 11.5 para perda de jardas, 3.5 sacks e 1 fumble forçado mas uma estatística se destaca, 14 passes desviados, ou seja, Demarcus no momento do passe está sempre levantando os braços, característica importante para um DT.

7 (#236) – WR John Ursua

Ursua sim é um Slot receiver puro, medindo 5’9” (1,75m) e pesando 178lbs (80kg), John é muito ágil e tem uma excelente leitura de zona, sempre encontrando espaços na defesa adversária e dando opção para seu QB, em sua carreira na universidade do Hawaii ele teve 189 recepções para 2662Yds e 24 TD’s, sendo 18 deles na temporada de 2018, foi o líder no quesito em toda FBS, é um nome a se prestar atenção no training camp, podendo até cavar ums vaga no roster final.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: